Buscapé

http://links.lomadee.com/ls/Mk5KNDt4cUtUTGNTejsyNzgzNjY0OTswOzE3NjszMzU5OTQ4NjswO0JSOzM7OzA-.html

Facebook

terça-feira, 25 de abril de 2017

Paulo Gustavo é capa da GQ Brasil do mês de abril



Um dos grandes atores do momento com certeza é Paulo Gustavo que trabalha de forma impecável no humor e o grande exemplo é no filme Minha Mãe é Uma Peça. Isso é destaque na Revista GQ deste mês de abril. Além da carreira e do sucesso, Paulo fala sobre vida pessoal e casamento.



Grandes Discos Brasileiros | 'Õ Blésq Blom' - Titãs (1989)



Sem dúvidas após realizar mais pesquisas sei que a banda Titãs é uma das cinco mais importantes da história da nossa música, pois trouxe grandes discos, belas composições, melodias vinculadas ao rock e outras formas experimentais e shows eternos. Infelizmente a banda não é mais como antes, sobretudo nos áureos tempos na década de 80, mas tudo isso faz parte e ciclos dissolvem para várias áreas da arte e na música, ainda mais com grupos musicais poucas conseguem ter uma sólida carreira. 




Para quem está acompanhando a série Grandes Discos Brasileiros já deve ter reparado que já falei de um disco dos Titãs que foi o magnífico Jesus não Tem Dentes no País dos Banguelas. Hoje iremos falar do disco Õ Blésq Blom, lançado em 1989 e é considerado pela crítica o melhor disco dos Titãs, apesar que eu e alguns críticos considerem outro disco como o melhor. 

Era o quinto disco dos Titãs e a banda estava bem consolidada no mercado fonográfico e todos os demais trabalhos foram aclamados e bem vendidos, mas segundo Sérgio Britto faltava ainda lançar uma obra prima, um disco mais maduro com melodias mais criativas e letras com mais visceralidade. Para esse disco os oito integrantes ainda bem unidos e cooperando para que tudo desse certo trabalhou junto com o produtor Liminha que era e ainda é um excelente profissional da música.


Titãs nos anos 80

O disco Õ Blésq Blom já começa de forma inusitada que é uma faixa não interpretada pelos Titãs e sim por um casal de repentistas encontrados em Pernambuco. Eles são Mauro (ex-estivador e auto-intitulado "O Rei do Rock") e sua esposa Quitéria. São deles as vinhetas de introdução e fechamento do disco.

Para quem conhece bem o disco devem achar sensacional a junção da faixa "Introdução por Mauro e Quitéria" com a faixa "Miséria" que é uma canção muito bem trabalhada, com uma boa letra e uma melodia bem trash com cara de anos 80.

Podemos ver neste disco canções cujas letras são características dos Titãs na década de 80 e início da década de 90, isso até por conta da forma peculiar de compor de Arnaldo Antunes, mas os demais integrantes assumiram esse lado 'esquisito' de compor e saíram boas canções como "Racio Símio" e a divertida canção "O Camelo e o Dromedário" que tem uma letra engraçada e uma melodia mais devagar, porém apesar da "graça" nesta faixa acho a mais fraca. Algo peculiar, porém muito bem feita vemos na faixa "O Pulso" que foi composta por Arnaldo Antunes e Marcelo Fromer que tinha uma forma peculiar de compor também.




A faixa de maior sucesso deste disco e um dos maiores sucessos dos Titãs é "Flores" que é uma faixa bem rock n roll. A letra foi muito bem composta e se tornou um mega hit nas rádios e na televisão com um clipe de baixíssimo custo, mas sobressaia com a canção que era especial. "Deus e o Diabo" teve uma proposta diferente de divulgação em clipe, pois ajudou na época do lançamento do canal MTV Brasil e o clipe teve um melhor investimento.

Outras duas faixas de sucesso e boa produção vemos neste disco que é "32 Dentes" que tem uma letra boa e seria uma mensagem onde nem muitos entenderam. E para fechar "Palavras" que é uma boa canção, mas veio a ser mais conhecida anos depois na versão acústica.


Faixas


Faixa Título Compositor(es)



1
Introdução por Mauro e Quitéria
Mauro, Quitéria
2
Miséria
A Antunes, P Miklos, S Britto
3
Racio Símio
A Antunes, M Fromer, N Reis
4
O Camelo e o Dromedário
M Fromer, N Reis, P Miklos, T Bellotto
5
Palavras
M Fromer, S Britto
6
Medo
A Antunes, M Fromer, T Bellotto
7
Natureza Morta
A Antunes, Liminha, B Mello, M Fromer, P Miklos, S Britto
8
Flores
C Gavin, P Miklos, S Britto, T Bellotto
9
O Pulso
A Antunes, M Fromer, T Bellotto
10
32 Dentes
B Mello, M Fromer, S Britto
11
Faculdade
A Antunes, B Mello, M Fromer, N Reis, P Miklos
12
Deus e o Diabo
N Reis, P Miklos, S Britto
13
Vinheta Final por Mauro e Quitéria
Mauro, Quitéria


Ouça o Disco



segunda-feira, 24 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'A Dança da Solidão' - Paulinho da Viola (1972)



Paulinho da Viola sem dúvidas é um dos maiores cantores brasileiros que temos. Seu jeito calmo, tranquilo e sereno de cantar é uma de suas marcas. Muitos sambistas e outros artistas da nossa música elogiam sua gentileza e seu jeito sempre sereno, de nunca reclamar de algo pessoal, mas o que sempre elogiamos primeiramente em Paulinho é seu talento junto as suas composições, sua forma de tocar e interpretar.




Paulinho da Viola fez muitos trabalhos além da carreira solo, sendo eles em grupo com compositores ou para a sua escola de samba, a Portela. Em sua notória carreira ele lançou diversos discos, mas em 1996 ele lançou seu último disco de inéditas. Dentre os discos que ele lançou vamos destacar A Dança da Solidão, lançado no ano de 1972 que trouxe lindas canções, grandes sucessos e uma crítica bem positiva com seu trabalho.


Paulinho da Viola entre 1972 / 1974
 

O disco em sua totalidade é bem leve e o que mostra essa leveza não é só a voz de Paulinho da Viola, mas a forma como a melodia foi trabalhada com nenhum grande peso nos instrumentos. O disco foi bem recebido pelo mundo do samba e Paulinho já era considerado um grande artista, mas neste quinto álbum foi coroado.

Entre as canções destaco a faixa título "A Dança da Solidão" que foi um grande sucesso no mundo do samba. É uma música bem tranquila e dá o tom do que é a letra que fala sobre as pessoas que de uma certa forma ficam sozinhas. Destaque para a interpretação de Paulinho da Viola que está perfeita.

Um dos maiores sucessos é "No Pagode do Vavá" que embalou e embala até hoje as rodas de samba e pagode nas festas de aniversário ou encontro de amigos em uma quadra de escola de samba ou boteco. A canção é uma das que tem notas mais altas, ou seja, com um teor menos calmo que as demais.




A faixa "Coração Imprudente" é uma das minhas favoritas e vim a conhecer numa versão acústico. A versão neste disco ficou tão boa quanto a atual. Adoro ouvir os solos de piano nesta canção. A canção é outra que foge um pouco da calmaria do disco.

Paulinho interpreta canções de outros grandes autores que são da escola de samba coirmã, a Mangueira. Entre eles Cartola na canção "Acontece" e Nelson Sargento na canção "Falso Moralista".


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1 Guardei Minha Viola Paulinho da Viola
2 Meu Mundo E Hoje (Eu Sou Assim) José Batista, Wilson Batista
3 Papelâo Geraldo das Neves
4 Duas Horas da Manha Ary Monteiro, Nelson Cavaquinho
5 Ironia Paulinho da Viola
6 No Pagode Do Vavá Paulinho da Viola
7 Dança da Solidão Paulinho da Viola
8 Acontece Cartola
9 Coração Imprudente Capinan, Paulinho da Viola
10 Orgulho Capinan, Paulinho da Viola
11 Falso Moralista Nelson Sargento
12 Passado de Gloria Monarco


Ouça o Disco



Grandes Discos Brasileiros | 'O Samba Poconé' - Skank (1996)



Pela primeira vez na série Grandes Discos Brasileiros iremos repetir um artista e será Skank que é uma das maiores bandas brasileiras de todos os tempos e desde que surgiu até hoje mostra uma vitalidade, criatividade e muito talento. Nos anos 90 o grupo surgiu e junto com ele outras bandas apareceram e para ganhar espaço e sobressair o grupo precisa trazer algo diferente, inovador, mas sem perder a brasilidade em suas letras e algumas melodias e desde então o quarteto de Minas Gerais conseguiu ser a ponta de lança das bandas nascidas na década de 90.




Falamos aqui no Blog sobre o segundo álbum do grupo chamado Calango que foi de fato o disco que fez o Skank 'explodir' no Brasil e conquistar seu espaço em rádios, programas de televisão e conseguir com que muitas canções se tornassem grandes hits.

Obviamente o grande desafio do Skank era fazer um disco a altura do seu antecessor e não poderia falhar, mas sabíamos que não havia aquela pressão, pois o quarteto estava a todo vapor de sua criatividade e eis que em 1996 foi lançado O Samba Poconé que completou 20 anos no ano passado e foi o disco mais vendido naquele ano e teve dois ultra hits que são executados até hoje.


Skank em 1996

O disco era uma grande mistura de estilos musicais, além de conter o Rock poderíamos ouvir o ska, pop, reggae e música latina, deixando o disco com uma característica única. Os instrumentos de sopro como trombone, trompete e saxofone voltaram a ter um grande destaque e são grandes pontos que dão uma sonoridade que chamo de única ao disco.

Para quem é fã do Skank sabe que o disco é conhecido por ser O Samba Poconé, mas para outras pessoas o disco é conhecido por ser o disco do "É uma Partida de Futebol"  e "Garota Nacional", os dois ultra hits do grupo que foram fundamentais para transformar o grupo na melhor banda brasileira.

A canção "Garota Nacional" é uma canção pop do Skank e acredito que seja o maior hit da sua história, tocando praticamente em todas as rádios. A canção aparecia sempre nas paradas de sucesso ocupando as melhores colocações e por conta disso foi a canção número 1 no Brasil inteiro em 1996. A canção tem um refrão potente e uma letra que era fácil de decorar, sem falar da ótima melodia escolhida para a letra e além disso o clipe ajudou muito no sucesso da canção.

Outro grande hit foi "É uma Partida de Futebol" que era uma mistura de rock com música latina. Foi uma das dez canções mais tocadas em 1996, mas continuou a ser bem tocada nos dois anos seguintes, tudo isso por conta da canção falar de uma das maiores paixões do povo brasileiro que é o futebol e a letra achei muito bem escrita, sendo uma descrição do que é o futebol e a paixão que o brasileiro tem. A melodia é uma das mais incríveis e vemos uma mistura de instrumentos de sopro dando o que falar na canção.

A canção "Tão Seu" foi outro grande sucesso deste disco, sendo executada muitas vezes nas rádios nacionais, sendo uma das mais executadas entre 1996 e 1997. O refrão era muito atrativo e fácil de cantar e decorar.

Outras canções tocaram nas rádios até por impulso das demais três já lançadas anteriormente, mas nada com tanto sucesso, mas há de ressaltar algumas ótimas canções tais como "Eu Disse a Ela" que bem pop com uma letra e melodia bem divertida. Na canção "Zé Trindade" que mistura reggae com ska o grupo faz uma homenagem ao ator e apresentador na época do rádio. A faixa "Poconé" é uma grande mistura, mas mostra o quanto é talentoso e criativo todo o quarteto e seus músicos participantes.

O álbum vendeu quase dois milhões de cópias, sendo mais vendido de 1996 e o mais vendido da banda Skank. Por conta disso o grupo concorreu e ganhou diversos prêmios e troféus. A crítica recebeu muito bem o disco e neles haviam ótimas avaliações, mas alguns acharam que este disco não superou o anterior mas outros aclamaram a criatividade do grupo.

Um fator a salientar é que neste disco Samuel Rosa e Chico Amaral compuseram grande parte das letras do disco, assim como foi no disco anterior.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1
É uma Partida de Futebol
Nando Reis e Samuel Rosa
2
Eu Disse a Ela
Samuel Rosa e Chico Amaral
3
Zé Trindade
Samuel Rosa e Chico Amaral
4
Garota Nacional
Samuel Rosa e Chico Amaral
5
Tão Seu
Samuel Rosa e Chico Amaral
6
Sem Terra
Samuel Rosa e Chico Amaral
7
Os Exilados
Samuel Rosa e Chico Amaral
8
Um Dia Qualquer
Chico Amaral
9
Los Pretos
Samuel Rosa e Chico Amaral
10
Sul da América
Samuel Rosa e Chico Amaral
11
Poconé
Chico Amaral


Ouça o Disco



sábado, 22 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'A Turma do Balão Mágico' - A Turma do Balão Mágico (1983)



Na série os Grandes Discos Brasileiros não poderia faltar um trabalho infantil, mas quando se pesquisa grandes trabalhos com produções sérias e melodias completamente perfeitas não se encontra tantos registros, mas encontra discos que venderam milhões de cópias e que trouxe consigo canções que marcaram uma geração de crianças que hoje são adultos e sentem falta destas canções, ou seja, há de constatar que as canções infantis, principalmente na década de 80 e 90 foram as melhores. Entre artistas deste ramo vamos destacar a A Turma do Balão Mágico que apareceu como um daqueles fenômenos que teve uma boa duração e soube entrar e sair de cena na hora certa.




A Turma do Balão Mágico surgiu em 1982 e terminou em 1986 e nestes anos de atuação soube fazer tudo na hora certa, inclusive nas escolhas dos singles foram tiros certos. Todos os álbuns do grupo foram bem produzidos e pensados letra a letra para atingir todas as crianças, de acordo com sua personalidade, gerando trabalhos inteligentes. Foram cinco discos, sendo três deles de alta aceitação do público, mas vamos destacar A Turma do Balão Mágico, de 1983.


Encarte do disco de 1983

O maior hit do Balão Mágico estava neste álbum e se chamava "Superfantástico" que seria uma forma de apresentar até então a filosofia do grupo, que a sensação de ser feliz era a melhor e quem era feliz tinha que fazer parte e viajar no Balão. Nesta canção tem a participação do cantor Djavan.

A canção "Ai Meu Nariz!" foi outro grande hit e que animava as festinhas de aniversário com um refrão bem chiclete. A canção foi regravada anos depois por outros artistas da música infantil.

O disco girava em torno de alguns personagens e gerava neles canções divertidas com letras engraçadas, tais como "Seu Felipe, Dorminhoco" que tinha uma melodia bem alegre, assim como na canção "O Meu Avô".


Em 1983 neste disco o Balão Mágico era um trio e logo depois se tornaram um quarteto


Outra grande hit do Balão Mágico que talvez seja a canção favorita de muitos adultos que antes eram crianças naquela época é "Ursinho Pimpão", que era interpretada apenas por Simony. A canção tinha uma melodia como nas canções de ninar e nela uma letra um tanto quanto lúdica e que gera uma emoção ao ouvir, isso até por conta da mistura de interpretação e melodia.

Integrantes do álbum eram  Simony, Mike e Tob


Faixas

Faixa Título


1
Superfantástico
2
Ai Meu Nariz! 
3
Ursinho Pimpão 
4
O Meu Avô 
5
Você e Eu
6
Seu Felipe, Dorminhoco
7
Juntos 
8
Gaguejei
9
Amigo e Companheiro
10
Mãe-Iê


Ouça o Disco




Grandes Discos Brasileiros | 'Seu Espião' - Kid Abelha (1984)



O nosso rock estava numa fortíssima ascensão no cenário musical brasileiro e muitas bandas surgiam, uma melhor que a outra, mas quem era bom de verdade conseguia sobreviver e foi o caso do grupo Kid Abelha, que na verdade se chamava Kid Abelha e os Abóboras Selvagens. O grupo surgiu em 1981, mas chegou ao estrelato em 1984 se tornando uma das maiores bandas de todos os tempos, sem falar que cada integrante tem seu destaque como Paula Toller como uma das maiores cantoras brasileiras de todos os tempos e George Israel como um dos maiores instrumentistas brasileiros.





O grupo Kid Abelha já tocava em alguns shows e tinha um feedback muito positivo dos colegas, da critica e dos fãs que surgia a cada show. Faltava algo para completar seu ápice que era o lançamento de seu primeiro disco e eis que em fevereiro de 1984, em pleno verão o grupo lançava Seu Espião que trazia consigo grandes canções, sendo algumas já conhecidas pelo público que já os acompanhavam em pequenos e médios shows.


O grupo Kid Abelha meados de 1984/85

Para a gravação deste disco haviam cinco integrantes, sendo eles Paula Toller nos vocais, George Israel no sax e vocais, Bruno Fortunato nas guitarras, Leoni no baixo e vocais e Beni Borja na bateria. Há de ressaltar que quem produziu este disco foi nada mais que Liminha, um dos maiores produtores que o Brasil já teve.

O disco reuniu muitos hits e mega hits e com certeza muitos devem concordar que este foi o melhor disco do grupo e muitas canções são parte da sua história e devem guardar alguma lembrança com pela menos uma canção.

Todos os integrantes de uma certa forma ajudaram na composição das letras, mas Leoni foi o grande autor deste disco compondo todas as dez faixas, seja elas sozinho ou acompanhado de um Kid Abelha.

Difícil apontar o maior  hit deste disco, mas quero começar a falar de "Como Eu Quero" que é a minha faixa favorita e ficou fenomenal tanto a letra e a melodia. Paula Toller mostra uma afinação maravilhosa e uma forma de interpretar bem doce, dando vida a cada palavra. A canção teria sido excluída deste disco pelo produtor, mas Paula Toller insistiu em colar essa canção, pois sabia do poder, ainda mais que ela falava de empoderamento feminino.

A canção "Pintura Íntima" deve ter sido aquela que mais emplacou de forma longa e após uma regravação anos depois ela se tornou ainda mais pedida e tocada nas rádios. Nessa canção em especial ouvimos solos de sax de George Israel.



A canção "Fixação" é um dos maiores sucessos do grupo e achei particularmente uma das mais bem produzidas para este disco. Tem uma letra que de início parece difícil de entender, mas são aqueles insights musicais que alguns artistas encontravam e a inspiração era fatal.

Temos na canção "Alice (Não Me Escreva Aquela Carta De Amor)" uma composição melódica perfeita, onde todos os instrumentos se conversam muito com e casam com a voz de Paula e uma letra muito bem composta.




Na canção "Porque Não Eu?" vemos uma letra mais séria, talvez a que fale melhor de romantismo e foi um dos grandes sucessos deste disco, segundo informação uma das últimas lançadas deste álbum.

A canção que abre o disco é a faixa título "Seu Espião" que lembra uma forma bem peculiar de tocar nos anos 80, onde os teclados se misturam a sintetizadores, dando um teor um pouco brega, mas bem chique em sua composição e toda melodia.

O disco vendeu muito bem, chegando a ultrapassar 150 mil cópias vendidas, sendo um dos mais marcante do ano de 1984. A crítica no início não foi tão positiva, afirmando que as letras eram fracas e fúteis, pois a maioria das bandas de rock na época vinham com letras fortes, muitas delas com protesto, mas ao ver o sucesso de vendas e de público, entendeu-se a necessidade do rock nacional ser mais flexível.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1
Seu Espião
Leoni, Paula Toller, Herbert Vianna
2
Nada Tanto Assim
Leoni, Bruno Fortunato
3
Alice (Não Me Escreva Aquela Carta De Amor)
Leoni, Toller, Fortunato
4
Hoje Eu Não Vou
Leoni, Beni Borja, Toller
5
Fixação
Leoni, Beni Borja, Toller
6
Como Eu Quero
Leoni, Toller
7
Ele Quer Me Conquistar
Leoni
8
Porque Não Eu?
Leoni, Toller, Vianna
9
Homem Com Uma Missão
Leoni, Beni Borja
10
Pintura Íntima
Leoni, Toller



Ouça o Disco



sexta-feira, 21 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'Indiferença' - Oficina G3 (1996)



A música Gospel brasileira atualmente está no seu melhor momento, sendo um dos três estilos musicais que mais vendem produtos como CDs, canções e downloads pagos. Lá no passado o estilo Gospel além de ter pouco espaço na TV e nas rádios, haviam muitos "nãos" das gravadoras e eis que surgiam naquela época a Gospel Records e a MK que produziram grandes discos. Nos anos 90 com o crescimento da religião evangélica muitos cantores e grupos surgiram, mas eis que um bem diferente do padrão gospel apareceu e encantou muitos jovens que foi o Oficina G3 que era um grupo Gospel, mas em forma de Rock, Heavy metal, hard rock e tudo que era mais pesado para atingir um público específico e eles conseguiram.



Sua estreia  no mercado musical foi cercado de críticas positivas e negativas, mas não importavam a opinião da crítica e o Oficina G3 partiu com sua coragem para o segundo álbum chamado de Indiferença, lançado em 1996. Este álbum foi recebido com mais críticas positivas do que o de estreia, pois mostrava um amadurecimento do grupo, sem falar que era ousado misturar um rock tão pesado com letras cristãs, inclusive eles influenciaram novas bandas gospel no mesmo estilo que surgiu na década de 90.

Muitas canções deste disco tiveram destaque entre os fãs e tocou em emissoras de rádio gospel e também na TV. Começo a destacar a faixa "Espelhos Mágicos"  que é considerada uma das maiores canções gospel já gravadas e muitos consideram como a melhor canção do Oficina G3.


Oficina G3 no auge da sua carreira, na década de 90

Outra faixa de destaque é a faixa título "Indiferença" que tem uma letra que seria um protesto e uma forma de mostrar diferentes realidades, mas focando quem está na miséria e que busca o seu melhor, mas encontra um gesto mudo do outro lado quando pede socorro e na letra sugere que abrimos o vidro do nosso coração, simulando como se estivéssemos dentro de um carro.

A faixa "Davi" é outra obra prima do grupo, falando justamente do trecho bíblico do confronto entre Davi e Golias. Na letra fala também que não nos devemos sentir pequenos em confrontos da vida e enfrentar todos os gigantes que nos afrontam.

"Magia Alguma" é outra canção muito bem composta e fala do encontro de uma pessoa com Deus, como se de fato ele tivesse crendo e vendo. Esta faixa vem numa sintonia mais calma, sem o tom pesado de rock e o mesmo vemos na canção "Novos Céus"  que é uma das minhas favoritas.


Integrantes do Grupo neste disco:

Luciano Manga - vocais
Juninho Afram - guitarras, violão e vocais
Duca Tambasco - baixo e vocal de apoio
Jean Carllos - teclado e vocal de apoio
Walter Lopes - bateria e vocais


O grupo eram formado por cinco integrantes e quem era o vocalista principal em 1996 era Luciano Manga que logo depois sairia da banda, porém o grande músico do Oficina G3 neste álbum e até hoje é o guitarrista Juninho Afram que ganhou muitos fãs, sendo eles não cristãos e sim fãs de Rock e Heavy Metal. Além de tocar guitarra, Juninho cantava algumas das faixas.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1
Davi
Walter Lopes e Cláudia
2
Oficina G3
3
Magia Alguma
Mike
4
Glória Inst.
Juninho Afram
5
Glória
Domínio Público
6
Profecias
Juninho Afram
7
Espelhos Mágicos
Juninho Afram
8
Novos Céus
Juninho Afram
9
Indiferença
Oficina G3
10
Duca's Jam
Duca Tambasco
11
Contra-Cultura 
Juninho Afram
12
Your Eyes
Juninho Afram
13
Your Eyes II Inst.
Juninho Afram
14
Não Temas
Juninho Afram
15
Rei de Salém
Túlio Régis


Ouça o Disco



terça-feira, 18 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'Roberto Carlos' - Roberto Carlos (1976)



Dia 19 de abril é o aniversário de 77 anos de Roberto Carlos e acho que não precisamos explicar o quanto ele é importante para a história da nossa música. São dezenas de discos e inúmeros sucessos que tocaram nas rádios, na televisão e no seu coração, sem falar das canções que são "lado B" e que apenas fãs e admiradores tem conhecimento. Obviamente Roberto Carlos não poderia ficar de fora da série Grandes Discos Brasileiros e se o projeto for bem a frente dá para incluir diversos de seus trabalhos.




Quem acompanha o Blog deve saber exatamente os discos que eu mais admiro da carreira de Roberto Carlos, mas vamos começar a falar do disco Roberto Carlos, de 1976 que tem grandes canções e todas as 12 faixas são espetaculares e tinha este disco quando criança e tenho boas lembranças da minha infância.

Deste disco a minha faixa favorita pode variar dependendo do momento que encontro na minha vida, mas destaco em primeiro lugar "O Progresso" que tem uma letra que é uma crítica ao avanço tecnológico e das coisas que os homens faz para que estes avanços seguem em frente como desmatar de forma criminosa ou poluir os rios fazendo com que as baleias morrem e no fim Roberto cita que queria ser civilizado como os animais que sofrem com a degradação.



A faixa que inicia o disco é "Ilegal, Imoral ou Engorda" que seria uma crítica aqueles jornalistas que escreviam falando que Roberto era uma má influência para a juventude e qualquer coisa que ele gostava ou era imoral, ilegal ou engordava.

Roberto não poderia deixar de cantar o romantismo e em "Os Seus Botões" ele interpreta de forma fenomenal o encontro de um casal em uma melodia impecável. O mesmo tom vemos na faixa "Você em Minha Vida" que tem uma letra muito bem composta.

A canção "Preciso Chamar Sua Atenção" assim como muitas letras são de sua autoria e do Erasmo Carlos, porém esta canção Erasmo também gravou. A canção é bem descritiva falando de um homem que tenta de todas as formas chamar a atenção de uma mulher.



Uma característica de Roberto Carlos bem peculiar é falar de uma mulher específica como a madrasta, a mulher de óculos, a índia, entre outras e neste disco ele canta "Minha Tia" e fala de dos seus tempos de infância na Tijuca e que essa sua tia de sangue ou não o ajudava.

O cantor Wando compôs  a canção "A Menina e o Poeta" e Roberto Carlos interpretou de forma impecável numa melodia fina e suave.


Faixas


Faixa Título Compositor(es)



1 Ilegal, Imoral Ou Engorda Roberto Carlos - Erasmo Carlos
2 Os Seus Botões Roberto Carlos - Erasmo Carlos
3 O Progresso Roberto Carlos - Erasmo Carlos
4 Preciso Chamar Sua Atenção Roberto Carlos - Erasmo Carlos
5 O Dia-a-Dia Néneo - Fred Jorge
6 Pelo Avesso Isolda - Milton Carlos
7 Você Em Minha Vida Roberto Carlos - Erasmo Carlos
8 A Menina E O Poeta Wando
9 Comentários Maurício Duboc - Carlos Colla
10 Minha Tia Roberto Carlos - Erasmo Carlos
11 Um Jeito Estúpido De Te Amar Isolda - Milton Carlos
12 Por Motivo De Força Maior Getúlio Cortes



Ouça o Disco



Grandes Discos Brasileiros | 'Lado B Lado A' - O Rappa (1999)



Atualmente o grupo musical O Rappa é uma das melhores do momento, mas sabemos que eles não vivem momentos áureos como foi assim que surgiu nos anos 90 e anos depois, porém o grupo tem fãs espalhados pelo país todo que entendem e compreendem suas músicas que são às vezes politizadas ou alguma crítica social com muito estilo, letras inspiradoras e uma ótima aparelhagem em seus instrumentos.




Foram grandes álbuns gravados, mas hoje falaremos do vitoriosos e extraordinário trabalho chamado Lado B Lado A, lançado no ano de 1999 e que rendeu inúmeros sucessos nas rádios brasileiras, clipes bem produzidos, grande avaliação da crítica onde alguns apontavam como o grande trabalho daquele ano, uma boa produção de Chico Neves, e claro letras muito bem escritas e inspiradoras de Marcelo Yuka que era até então o grande poeta do grupo.

Havia uma dúvida naquela época de qual era o verdadeiro estilo musical de O Rappa, pois já se notava uma forma diferente de fazer música e quem não conhecia bem achavam que eles tocavam reggae, mas se for definir neste disco é uma mistura de rock com reggae com dub e com algo experimental.

Só neste álbum foram pelo menos seis sucessos, alguns se tornando mega hits que tocam até hoje nas rádios e acredito que muitos irão concordar, mas a canção "Minha Alma (A Paz que Eu Não Quero)" além de ser o maior sucesso deste álbum é um dos três maiores do grupo. A canção antes de ser finalizada se chamaria "As Grades do Condomínio São Pra Te Dar Proteção", mas teve seu nome mudado por pressão do diretor-executivo da Warner Music à época do lançamento. É uma das principais canções que tem como cunho a critica social.


O Rappa e demais integrantes em 1999


Outro grande sucesso deste álbum é "O Que Sobrou do Céu" que tem uma letra muito bem escrita pelo Marcelo Yuka e junto a parte instrumental ficou uma canção simplesmente linda. A canção assim como as outras tem seu lado politizado e mostra uma crítica social.

A canção "LadoB LadoA" é mais uma inspiração de Marcelo Yuka e talvez seja a canção com mais rock pesado, pois se nota pelos fortes riffs de guitarra por Xandão que foi um excelente músico neste álbum. A canção "Me Deixa" é outro que abalou e fez um grande sucesso nas rádios brasileiras e é uma das favoritas de muitos fãs do grupo por ter uma característica de saideira.

O Rappa em sua formação nos anos 90

Há outras boas canções neste álbum que poderiam muito bem ter sido mega hit, mas são canções inesquecíveis pelos fãs, tais como "Homem Amarelo" que tem uma letra bem criativa, falando da mistura de povos e uma parte instrumental simplesmente perfeita. Outra canção de grande produção é "Cristo e Oxalá" que tem uma letra com uma característica parecida, tratando da mistura de povos, mas em seres ancestrais. A faixa "Se Não Avisar o Bicho Pega" é outra grande canção deste disco que foi revisitada anos depois em formato acústico e ficou sensacional.


Faixas


Faixa Título Compositor(es)



1
Tribunal de Rua
Marcelo Yuka
2
Me Deixa
Marcelo Yuka
3
Cristo e Oxalá
Marcelo Yuka
4
O Que Sobrou do Céu
Marcelo Yuka
5
Se Não Avisar o Bicho Pega
Jorge Carioca, Marquinho PQD, Marcinho,
6
Minha Alma (A Paz que Eu Não Quero)
Marcelo Yuka
7
LadoB LadoA
Marcelo Falcão, Marcelo Yuka
8
Favela
Marcelo Falcão, Xandão
9
Homem Amarelo
O Rappa
10
Nó de Fumaça
Marcos Lobato
11
A Todas as Comunidades do Engenho Novo
Marcelo Falcão
12
Na Palma da Mão
Marcelo Yuka



Ouça o Disco



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...